Santa Casa de Porto Alegre lança 1ª ferramenta do mundo que detecta prescrições fora do padrão

Esta é a primeira de uma série de soluções que serão criadas pelo Instituto de Inteligência Artificial na Saúde em parceria com a Santa Casa.

A Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, por meio de seu Centro de Inovação, em parceria com a NoHarm.ai, desenvolveu dois algoritmos de automação para triagem farmacêutica.

As duas inteligências trabalham em conjunto, enquanto a primeira prioriza as prescrições mais críticas, a segundo indica potenciais erros da prescrição. “Levando em consideração os resultados dos exames do paciente, o que aumenta a qualidade assistencial e a eficiência hospitalar.”

O projeto-piloto da NoHarm teve início em abril no Hospital São Francisco da Santa Casa e, em apenas 45 dias, foi possível validar com a equipe farmacêutica o produto mínimo viável.

“O engajamento da equipe da farmácia, sugerindo melhorias, e a agilidade de resposta da equipe da NoHarm.ai foram os diferenciais para o sucesso da ferramenta”, avalia o coordenador do Centro de Inovação da Santa Casa Diego Ramires.

Esta é a primeira de uma série de soluções que serão criadas pelo Instituto de Inteligência Artificial na Saúde em parceria com a Santa Casa. Ela tem como foco a criação de sistemas inteligentes voltados para a segurança dos pacientes usuários do SUS.

“Nossa principal missão é oferecer saúde de qualidade e com segurança aos que mais necessitam, e a NoHarm.ai veio para somar à excelência assistencial já tradicionalmente desempenhada pela Santa Casa”, ressalta o diretor médico da Santa Casa Antônio Kalil.

Sem dano

O nome NoHarm, que em inglês quer dizer “sem dano”, faz referência ao fato de a ferramenta ajudar na prevenção de danos aos pacientes a partir de prescrições de medicamentos fora do padrão.

Desde a sua implantação, a NoHarm.ai tem possibilitado muitos benefícios para Farmácia Clínica da instituição. “Através dela, utilizamos a inteligência artificial para validação de 100% das prescrições de medicamentos antes da dispensação, otimizando as atividades práticas e clínicas presenciais do farmacêutico – as quais são extremamente importantes – como participação em rounds multidisciplinares e a preparação da alta do paciente”, explicou Shirley Keller, coordenadora farmacêutica da Santa Casa.

A expectativa, de acordo com Shirley, é de que o uso de tecnologias no processo de medicação possam contribuir para a maior segurança e efetividade na cadeia medicamentosa tanto para pacientes, quanto para os profissionais e instituição.

Atualmente em uso nos hospitais São Francisco e Santa Clara, ambos da Santa Casa, a NoHarm já avaliou 8 mil prescrições, impactando na vida de mais de 1.300 pacientes internados.

Além disso, a tecnologia já demonstra sua importância para o aumento da qualidade assistencial e da produtividade dos colaboradores envolvidos no processo de prescrição, além de qualificar as informações, sendo este um padrão exigido pela ONA (Organização Nacional da Acreditação).

Medicamentos

A tecnologia alerta para possíveis prescrições de medicamentos fora do padrão e sinaliza resultados dos exames fora dos valores de referência. Adicionalmente, a NoHarm.ai indica potenciais erros relacionados a medicamentos prescritos que impactam a função hepática e renal dos pacientes, que apresentam comorbidades baseado no resultado dos seus exames.

“A Inteligência da NoHarm.ai recebe atualizações constantes, o que permitiu, recentemente, que medicamentos potencialmente inapropriados para idosos também fossem alarmados quando prescritos para esta faixa etária. Gradualmente, possíveis erros relacionados a interação medicamentosa, duplicidade terapêutica e incompatibilidade em Y também acionam alertas específicos”, explica Henrique Dias, fundador da NoHarm.ai.

Não se tem conhecimento, até o momento, da existência de ferramenta similar a esta, o que tornaria a NoHarm a primeira solução do mundo com esta finalidade.

Sendo assim, a Santa Casa de Porto Alegre mais uma vez inova em seus processos assistenciais através de uma iniciativa que beneficiará milhares de pacientes que internam, a cada ano, em seus hospitais.

A ferramenta vem para somar às atividades desempenhadas pelo corpo clínico do hospital, bem como para ser um complemento do trabalho já desempenhado pela equipe de farmacêuticos.

 

Facebook Comments Box

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *