• 17 de janeiro de 2022 19:48

Alegrete deixa de receber aproximadamente R$190 mil em recursos destinados para o Auxílio Emergencial à classe Artística da cidade

ago 13, 2021
*Alegrete deixa de receber aproximadamente R$190 mil em recursos que seriam destinados para o Auxílio Emergencial à classe Artística e Cultural do município*
O Grupo de Artistas de Alegrete lamenta que o município tenha sido inabilitado para receber o auxílio emergencial para os artistas locais. O edital está aberto desde 01 de julho deste ano, e somente há duas semanas o município fez o cadastro, sabendo-se, desde o início, que o recurso seria distribuído aos municípios por ordem de cadastramento, ou seja, primeiros municípios cadastrados receberiam o aporte total, e a cada novo cadastramento, o valor total ia sendo subtraído. Assim, tardiamente, se inscreveu, ficando de fora do aporte repassado pela SEDAC/RS – Secretaria de Estado da Cultura do Rio Grande do Sul.
Outro fato que nos chamou a atenção refere-se ao edital aberto aos educadores físicos, e este foi habilitado em tempo hábil, então fica a dúvida, se o processo é o mesmo, porque uma classe consegue e a outra não, sendo o mesmo processo, e feito pela mesma secretaria?
   A pandemia desnudou inúmeras cenas dramáticas e escancarou a desigualdade. Existem artistas passando sérias dificuldades, inclusive para se alimentar, por isto, sim, sentimos a falta de organização do processo gestor ocorrido neste cadastramento do município.
    O Grupo de Artistas alegretenses, entre músicos, atores, atrizes, técnicos, ativistas culturais, produtores e demais pessoas ligadas a arte, realizaram uma reunião no dia 04 de agosto de 2021, com a secretária de educação e o diretor geral de educação, para tratar sobre o processo, ressaltando a preocupação com o prazo para habilitação.
Foi ouvido dos mesmos, que tudo estava sendo feito, apesar da falta de funcionários para a execução do processo, foram citados detalhes de busca de informações, adequações, enfim, várias dificuldades, onde mais uma vez nos chamou a atenção, que o mesmo ocorria com os educadores físicos, e este segmento foi habilitado. Não cabe a nós julgarmos as inabilidades administrativas e processos burocráticos de um governo, mas sim, não sermos os prejudicados por esta ações, principalmente por acreditarmos, que a gestão da cultura deve ser feita e vivenciada conjuntamente com os artistas locais.
       Lembramos do processo anterior, referente a Lei Aldir Blanc, em que a classe artística manteve-se junto a pessoa encarregada do processo licitatório, para que todas as demandas fossem realizadas em tempo hábil, o que não foi fácil, pois delegou madrugadas de trabalho voluntário de ativistas culturais. Sendo assim, pensávamos que todo o ocorrido tivesse provocado um aprendizado e um acato futuro de metodologia de trabalho para novos editais culturais, mas não, ficou no descaso ou na falta de processo administrativo.
Audiência online tratará do pedido de prorrogação de prazos da Lei Aldir  Blanc - ANF - Agência de Notícias das Favelas |
Quem perde? Artistas que já vem sofrendo desde o início da pandemia? Sim, mas também toda a comunidade, pois vivemos numa sociedade onde um elo leva a outro, e assim gira a economia local e global. Lamentamos sim, tristemente, e muito decepcionados, por nunca sermos chamados para um diálogo com a Diretoria de Cultura, nunca sequer sermos mencionados, ou ouvidos sobre as atividades culturais do município, e neste momento crítico de economia e pandeia, deixa-nos fora deste essencial recurso financeiro.
     Sabemos que ainda poderá haver recursos, mas dependerá da desistência de outros municípios já habilitados abrirem mão deste recurso, que percebemos ser uma situação quase inexistente neste momento de caos econômico vivido.
Deixamos tristemente o nosso relato público do ocorrido, mais uma vez afetando o segmento cultural, já tão massacrado por parte do governo federal.
       Alegrete é berço de grandes nomes da cultura e não gostaríamos que esta condição ficasse no passado, mas sim continuamente revivido e celebrado com louvor e mérito real.
      Solicitamos mais uma vez a atenção e lamentamos que a classe acabe sofrendo perdas com estes entraves, principalmente a tudo que possa trazer recursos para o município.
E agora Diretoria de Cultura, que ação de gestão cultural será feito em prol desta  classe? Ou seguiram sendo esquecidos?
(Carta dos Artistas Alegretenses)
Postado por: Preta Castro Mulazzani
Facebook Comments Box
Compartilhe no Orkut!